Dia Mundial de Combate ao Racismo!

A data 21 de março foi instituída pela ONU como o Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial em memória do Massacre de Shaperville. Em 21 de março de 1960, 20.000 negros protestavam contra a lei do passe, que os obrigava a portar cartões de identificação, especificando os locais por onde eles podiam circular. Isso aconteceu na cidade de Joanesburgo, na África do Sul. Mesmo sendo uma manifestação pacífica, o exército atirou sobre a multidão e o saldo da violência foi de 69 mortos e 186 feridos.

Negros | Opressões - 21 de março de 2018

A data 21 de março foi instituída pela ONU como o Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial em memória do Massacre de Shaperville.  Em 21 de março de 1960, 20.000 negros protestavam contra a lei do passe, que os obrigava a portar cartões de identificação, especificando os locais por onde eles podiam circular. Isso aconteceu na cidade de Joanesburgo, na África do Sul. Mesmo sendo uma manifestação pacífica, o exército atirou sobre a multidão e o saldo da violência foi de 69 mortos e 186 feridos.

Muitos massacres utilizando-se da questão racial aconteceram antes e depois deste marco, o que só demonstra o quão necessário é ao sistema capitalista a opressão sistemática e brutal sob as classes exploradas para manter a dominação burguesa na sociedade. Não por acaso que a luta dos trabalhadores toma este matiz como eixo de resistência à revolução socialista em conjunto com os diversos setores de classe trabalhadora que além de super explorados são sub-divididos em categorias para melhor ser aplicada a opressão capitalista.

O preconceito racial é necessário à tão antiga estratégia de dividir para dominar. Cria-se mitos sobre os negros, índios, curdos, assírios, como sendo pessoas indignas, preguiçosas, os espantalhos de todos os problemas que se vive num determinado país. Mas nunca se discute com franqueza o genocídio histórico sofrido por estas etnias.

A luta dos povos oprimidos – no sentido do aspecto racial – é sem dúvida alguma a luta do conjunto das trabalhadoras e trabalhadores de todas as nações! Os revolucionários são absolutamente contra qualquer manifestação do racismo dentro da sociedade assim com dentro das fileiras proletarias. Lutamos por leis anti-racismo no sentido de expor por completo o racismo estrutural do capitalismo sem cair nas ilusões de uma reforma possível dentro dos marcos desta sociedade. Malcom X estava certo quando afirmou que não existe capitalismo sem racismo. Por mais que o movimento avance em algumas pautas de nada sera resolvida as questões estruturais que o sistema utiliza para melhor explorar estes setores.

Não é um debate limitado à moral ou a elementos ideológicos, o racismo é antes de tudo uma necessidade econômica da burguesia para conseguir extrair maiores taxas de mais-valia, de conseguir extrair maiores lucros desta parte da população. Toda luta anti-racista para ter consequência precisa se converter em luta pelo socialismo. É tarefa do conjunto dos explorados erradicar a ideia de “conflito entre as raças” que só tem serventia aos exploradores que a utilizam para aprofundar a os ataques patronais e impedir a mais ampla unidade do proletariado na luta anti-capitalista .

No Brasil este dia deve se refletir na legítima e urgente luta dos povos originários, pela reparação histórica:  titulação e proteção das terras dos quilombos e das reservas indígenas; cotas em universidades, concursos e setores públicos; pela incorporação da história do povo negro e indígena no cronograma letivo. Assim como a imediata paridade dos salários entre brancos e negros.

Seja na floresta ou na favela, auto defesa ao movimento indígena e quilombola!

Contra o Genocídio do Povo Negro!

Abaixo à Intervenção Federal no RJ!

Fora UPPs das Favelas!

Pelo Fim da PM!

Fora Temer! Fora TODOS!